A vida dos marinheiros do Rio Douro (2)



Marinheiros carregando pipas de vinho
no «barco rabelo»

«(…) Atingindo o barco o seu destino, muitas vezes à custa de remos e puxado à «sirga» pelos «marinheiros», ou seja em Riba-Corgo ou Baixo-Corgo, vai um da companha participar a chegada ao lavrador ou ao comissário de vinhos- Pelos íngremes caminhos rústicos, verdadeiros «gorrêtas», descem até ao cais carros de bois a carregarem pipas vazias, que voltam a trazer cheias das adegas.

Interessante e digna de estudo também a vida trabalhosa dos carreiros do Douro!

Reboladas as pipas, cheias do mais afamado e precioso dos vinhos, sobre as pranchas, para o barco, pela «maruja» às ordens do «feitor» - ei-lo ali vai, rio abaixo, ao sabor da corrente, enquanto os «marinheiros» cantam e riem, conversando uns com os outros por meio de cantigas em que o verso é incorrecto e o estilo monótono, mas tão cadenciado e harmónico como o bater das «pás» abrindo em laivos cristalinos a água profunda!

«Barco rabelo» subindo o Douro com pipas vazias
A paisagem é por vezes duma austeridade dantesca! No fundo das ladeiras, nas quais novamente se vai alastrando a vinha, debruçando-se viçosa dos socalcos que se elevam às alturas e onde poisam casas de quinta alvas de neve – as rochas, os fraguedos nus e enegrecidos inspiram por vezes pavor. (…)»

Amílcar de Sousa - Cheires – Alto Douro – 7-3º-1906
Texto (adaptado à grafia actual) e fotos: Illustração Portugueza – nº9 S/d (1906)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...