Vila Franca do Lima, a terra dos cestos de flores e da Festa das Rosas

Vila Franca do Lima, a terra dos cestos de flores e da Festa das Rosas
É aqui, em Vila Franca do Lima, que se inicia o ciclo de romarias do concelho de Viana do Castelo.
Na segunda semana de Maio, a vila enfeita-se para as festas em honra da Senhora do Rosário. As raparigas vestem o traje negro das mordomas para o desfile dos “Cestos floridos das Mordomas”.
Nas orelhas, os brincos à rainha, pois, segundo reza a tradição, rapariga que não use brincos é apelidada de “fanada” e permite que os maus espíritos entrem pelos orifícios descobertos das orelhas.
No peito, os cordões, as arrecadas e as gramalheiras.
Na cabeça equilibram um alto cesto feito com milhares de alfinetes que prendem milhares de flores.
Fonte: “Cores, sabores e tradições – Passeios no Vale do Lima”

Imprensa Nacional Casa de Moeda homenageia Ourivesaria e Etnografia Portuguesa


A Imprensa Nacional Casa da Moeda acaba de cunhar uma moeda dedicada às “arrecadas” de Viana do Castelo, constituindo esta a primeira de uma série alusiva à Etnografia Portuguesa.


Esta iniciativa, de profundo significado e elevado interesse cultural, será provavelmente a primeira na qual a numismática e a etnografia se aliam na divulgação do nosso património cultural, mais concretamente no reconhecimento do elevado valor artístico da nossa ourivesaria tradicional.

As “Arrecadas” de Viana do Castelo ( Ouro / Prata Proof)

Com o intuito de colocar em evidência alguns elementos da cultura tradicional e popular que compõem a nossa identidade, a INCM, em colaboração com o Museu Nacional de Etnologia, decidiu dar início a uma nova série de moedas de coleção intitulada «Etnografia Portuguesa».
 
A primeira moeda desta série, da autoria da escultora Eloísa Byrne, é dedicada às «Arrecadas de Viana do Castelo», peças da ourivesaria tradicional portuguesa em filigrana cujas origens se perdem no tempo, imprescindíveis na ornamentação do traje popular das noivas minhotas.
 
Observações:
Peso com embalagem - 130 g
Código: 1018441
Autor: Eloísa Byrne
Série/Tema: Etnografia Portuguesa
Data de Lançamento: Julho de 2013
Valor Facial: 2.50 Euros
Metal: Ouro 999/1000 - Prata 925/1000
Acabamento: Proof
Diâmetro: 28,00 mm
Limite de Emissão: 2500
Embalagem: Estojo de madeira com certificado de garantia
Peso: 15.10 g (3,1 g Ouro + 12 g Prata)
Estado: Disponível
Preço: €295,20
Fonte: https://www.incm.pt/

Corrida do Entrudo - «Olha o home, lá bai o home...!»

Corrida do Entrudo - «Olha o home, lá bai o home...!»
11 de Fevereiro - 21h30 - Av. Artur Soares (Palhotas) - Braga

A Rusga de São Vicente de Braga - Grupo Etnográfico do Baixo Minho, vem atravês dos testamenteiros "Senhor Laranjo", vindo de São Bento e "Menina Rosita" sua vizinha, convidar V/(s) Ex.cia(s), a participar na Corrida/Desfile do Entrudo - "Olha o home, lá bai o home...", para no final - antes de arder e desaparecer -, ouvir a leitura dos parcos haveres doados, pelo finado, Libório Caturra.







Tradição em Esposende: "botar fora o ano velho!"

Esposende reviveu uma vez mais a tradição de “botar fora o ano velho”. Pequenos grupos de cinco rapazes, de caras enfarruscadas, percorrem a vila na última noite do ano para “botar fora o ano velho”. Quatro deles pegam à carrela do sargaço carregando nela outro que representa o ano que termina. E lá vão eles pelas ruas fora cantarolando: “bota o ano velho fora e venha o novo cá p’ra dentro. Láralá!”. Ler mais>>>
1º prémio do concurso
2º prémio do concurso
3º prémio do concurso
Fonte das imagens: Esposende altruísta
Texto: Carlos Gomes
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...