Os trabalhos com o linho, na província do Minho

Arrancando o linho para em seguida ser ripado em instrumentos de madeira.

Estendendo o linho nos montes depois de ter estado enterrado em poças uns 8 dias


Malhando o linho na eira antes de dar entrada no engenho


A última malha do linho junto ao alpendre da quinta


Moendo o linho: uma junta de bois vai puxando o cabo da roda do engenho.


Uma bela espadelada dentro dum alpendre do eido


Assedando o linho: a última operação antes de ser fiado


Mulheres fiando, e homens dobando no sarilho



Duas camponesas com os seus trajes regionais dobando e fiando para em seguida ser urdido


Enchendo a canela



"Assenta-te, aqui, António,
Na mesa do meu tear.
Enche-m'aqui as canelas.
O mundo deix'ó falar."

(quadra duma cantiga popular)



Tecendo o linho para atoalhados


Um grande tendal de bragal (pano de linho destinado a vestuário atoalhado)


Bordando uma camisa de linho

(Clichés do sr. Manuel da Silva Leite)

Fonte: "Ilustração Portuguesa", nº398, 6 de Outubro de 1913 | Ler texto sobre estas imagens aqui.


Mensagens populares deste blogue

Uma batida aos lobos no Gavião (Alto Alentejo)

«Alabarcas» dos serranos do Marão

Casas Tradicionais Portuguesas - desenhos

Uma mulher dos arredores do Porto | Trajes